Feeds:
Posts
Comentários

Archive for maio \30\UTC 2008

Trechos da Lou

Ouse, ouse… ouse tudo!!

Não tenha necessidade de nada!
Não tente adequar sua vida a modelos,
nem queira você mesmo ser um modelo para ninguém.
Acredite: a vida lhe dará poucos presentes.
Se você quer uma vida, aprenda… a roubá-la!
Ouse, ouse tudo! Seja na vida o que você é, aconteça o que acontecer.
Não defenda nenhum princípio, mas algo de bem mais maravilhoso:
algo que está em nós e que queima como o fogo da vida!!

Lou Salomé

Read Full Post »

 

 

Oo

dhsdisdohdasodsahdsaids

 

eu não acreditei quando ouvi falar dessa foto no célebre livro de Irvin.

Agora me deparei com isso sem acreditar que fosse de verdade.

HILÁÁRIA. Olha a Lou ali com o chicote… Mulher incrivelmente DEMAIS!

Quero sê-la!

xD

Err… voltando a apresentação.

Lou, amante de Nit.  Paul Rée, melhor amigo e logo em seguida inimiguíssimo do Nit (perguntinha básica: quem vivinho não foi inimigo dele?).  E o próprio Nit (assustador, como sempre).

Já falei que sou fãzíssima dessa mulher ai, né, além de escandalizar a sociedade quebrando regras morais, ela seduziu os maiores pensadores da humanidade! Com sua beleza, sensualidade e inteligência ELEVADÍSSIMA, conquistou-os a fim de apenas iludí-los e fazê-los morrer de amor. Freud, Jung, Nietzsche, Henri Bergson, Sartre, Paul Rée, e vários outros homens que não sei mais contar.  Ela foi um grande mito, daqueles de mulher fodona dos filmes.

Read Full Post »

poema do Mario

BILHETE
Se tu me amas,
ama-me baixinho.
Não o grites de cima dos telhados,
deixa em paz os passarinhos.

Deixa em paz a mim!

Se me queres,
enfim,

…..tem de ser bem devagarinho,
…..amada,

…..que a vida é breve,
…..e o amor
…..mais breve ainda

 

 

 

Read Full Post »

[ODEIO ESSE LIVRO. CULPA SUA DÓRIS]

 

Mas amei lê-lo. *-*

Escrito por Milan Kundera,  com um cenário influenciado pelo regime comunista na Europa-oriental.

Conta-se a história do relacionamento de dois casais: Tomas e Tereza, Franz e Sabina. É retratado os amores, os ciúmes, as incompreensões, os confrontos e diferenças desses casais.

É mostrada a invasão russa à Tchecoslováquia e e  clima de tensão política que pairava na Praga daqueles dias.

E entãO  passarão décadas, os cenários vão variar-se, a história fica linda. 

O livro é por si muito filosófico.  Com constantes ‘saídas’ de texto feitas pelo autor.

Ele coloca em questão a dualidade do ser humano. O foco mesmo está na leveza e o peso, mas ele fala muito também do amor, da compaixão e do eterno retorno.

 Cada personagem tem uma representação diferente do pesado e do leve, Tomas é um homem leve, mas que carrega o peso de Tereza. Sabina é o feminino de Tomas, e Franz é um intelectual que sente boa parte da vida um insuportável peso das coisas que não gosta, porém não consegue se livrar delas.

 Vai ser colocado a diferença entre o amor e e o sexo, que no caso, Tomas provará isso a Tereza com suas incansáveis traiçoes. Tereza representará a esposa fiel, enquanto Tomas procurará nas amantes o milésimo que diferencia uma mulher da outra.

Tomas ama a sua esposa como a uma criança que apareceu numa cestinha na porta da sua casa. Ele a  protegera a sua vida inteira, a amara imensamente e ele nunca conseguiria procurar nela o milésimo que ele encontra nas outras mulheres.

Outra personagem também importante é a Karenin, a cadela de Tomas e Tereza, que mostrará um amor diferente, será aquele amor que nada quer em troca, será uma amizade daquelas que vc não quer saber se o outro te ama tbm, aquele amor de cão. Para mim, Karenin foi como uma corda que permitia que a união de Tomas e Tereza não se perdesse. O filho que eles nunca tiveram. *-*

O ser humano nesse livro é como algo que anda em linha reta, sem ter a oportunidade de ver tudo de novo. porque vivemos apenas um vez, estamos num palco sem ter a chance de ensaiar.  O que concordo literalmente.

Como esse livro é influenciado pelo comunismo na Tchecolosváquia, teremos aqui uma crítica política.  Sempre estamos com novos idealismos para substituir o antigo, sempre termos um governo para derrubar o outro, e ninguém quer admitir a culpa dos erros, porque somos eternos ignorantes. Nada nunca está perfeito. Veremos como o homem está o tempo todo criando uma capa sobre si.  Como somos vistos pela sociedade, e depois aquilo que somos.

“A janela dava para uma encosta coberta de maciairas retorcidas pelo tempo. No topo  da encosta, uma floresta cortava o horizonte, e o perfil das colinas estendia-se a perder de vista. À noite, uma lua branca apontava no céu pálido, era o momento que Tereza aparecia na soleira da porta. A lua suspensa no céu, ainda não inteiramente escuro, era como uma lâmpada que tivessem esquecido de apagar de manhã, e que  continuava acesa durante o dia todo no quarto dos mortos.”

 

Read Full Post »

conto

O gigante egoísta

Oscar Wilde
Tradução de Oscar Mendes

Todas as tardes, ao regressar da escola, costumavam as crianças ir brincar no jardim do Gigante.

Era um jardim amplo e belo, com um macio e verde gramado. Aqui e ali, por sobre a relva erguiam-se lindas flores como estrelas e havia doze pessegueiros que na primavera floresciam em delicados botões cor-de-rosa e pérola, e no outono davam saborosos frutos. Os pássaros pousavam nas árvores e cantavam tão suavemente que as crianças costumavam parar seus brinquedos, a fim de ouvi-los. “Como somos felizes aqui!”, gritavam uns para os outros.

Um dia o Gigante voltou. Tinha ido visitar seu amigo o Ogre de Cornualha e ali vivera com ele durante sete anos. Passados os sete anos, dissera tudo quanto tinha a dizer, pois sua conversa era limitada, e decidiu voltar para seu castelo. Ao chegar, viu as crianças brincando no jardim.

— Que estão vocês fazendo aqui? — gritou ele, com voz bastante ríspida e as crianças puseram-se em fuga.

— Meu jardim é meu jardim — disse o Gigante —. Todos devem entender isto e não consentirei que nenhuma outra pessoa, senão eu, brinque nele.

Construiu um alto muro cercando-o e pôs nele um cartaz:

É PROIBIDA A ENTRADA
OS TRANSGRESSORES SERÃO PROCESSADOS

Era um Gigante muito egoísta.

As pobres crianças não tinham agora lugar onde brincar. Tentaram brincar na estrada, mas a estrada tinha muita poeira e estava cheia de pedras duras, e isto não lhes agradou. Tomaram o costume de vaguear, terminadas as lições, em redor dos altos muros, conversando a respeito do belo jardim por eles cercados. “Como éramos felizes ali!” diziam uns aos outros.

Depois chegou a primavera e por todo o país havia passarinhos e florinhas. Somente no jardim do Gigante Egoísta reinava ainda o inverno. Os pássaros, uma vez que não havia meninos, não cuidavam de cantar nele e as árvores esqueciam-se de florescer. Somente uma bela flor apontou a cabeça dentre a relva, mas quando viu o cartaz, ficou tão triste por causa das crianças que se deixou cair de novo no chão, voltando a dormir. Os únicos que se alegraram foram a Neve e a Geada.

— A primavera esqueceu-se deste jardim — exclamaram —. de modo que viveremos aqui durante o ano inteiro.

A Neve cobriu a relva com seu grande manto branco e o Gelo pintou todas as árvores de prata. Então convidaram o Vento Norte para ficar com eles e o vento veio. Estava envolto em peles e bramava o dia inteiro no jardim, derrubando chaminés.

— Este lugar é delicioso — dizia ele —. Devemos convidar o Granizo a fazer-nos uma visita.

De modo que o Granizo veio. Todos os dias, durante três horas, rufava no telhado do castelo, até que quebrou a maior parte das ardósias, e depois punha-se a dar voltas loucas no jardim, o mais depressa que podia. Trajava de cinzento e seu hálito era frio como gelo.

— Não posso compreender por que a Primavera está demorando tanto a chegar — disse o Gigante Egoísta, ao sentar-se à janela e olhar para fora, para seu jardim frio e branco —. Espero que haja uma mudança de tempo.

Mas a Primavera nunca chegou, nem tampouco o Verão. O Outono deu frutos áureos a todos os jardins, mas ao jardim do Gigante não deu nenhum.

— É demasiado egoísta — disse ele.

De modo que havia sempre Inverno ali e o Vento Norte, e o Granizo, e a Geada e a Neve dançavam por entre as árvores.

Uma manhã jazia o Gigante acordado em sua casa, quando ouviu uma música deliciosa. Soava tão docemente a seus ouvidos que pensou que deviam ser os músicos do Rei que iam passando. Era na realidade apenas um pequeno pintarroxo que cantava do lado de fora de sua janela, mas já fazia tanto tempo que não ouvia ele um pássaro cantar em seu jardim que lhe pareceu aquela a mais bela música do mundo. Então o Granizo parou de bailar por cima da cabeça dele, o Vento Norte cessou seu rugido e delicioso perfume chegou até ele pela janela aberta.

— Creio que chegou por fim a Primavera — disse o Gigante, saltando da cama e olhando para fora.

Que viu ele?

Viu um espetáculo maravilhoso. Por um buraco feito no muro, as crianças tinham-se introduzido no jardim, encarapitando-se nas árvores. Em todas as árvores que conseguia ver achava-se uma criancinha. E as árvores sentiam-se tão contentes por ver as crianças de volta que se haviam coberto de botões e agitavam seus galhos gentilmente por cima das cabeças das crianças. Os pássaros revoluteavam e chilreavam, com deleite, e as flores riam, apontando as cabeças por entre a relva. Era um belo quadro. Apenas em um canto ainda havia inverno. Era o canto mais afastado do jardim e nele se encontrava um menininho. Era tão pequeno que não podia alcançar os galhos da árvore e vagava em redor, chorando amargamente. A pobre árvore estava ainda coberta de geada e neve e o Vento Norte soprava e rugia por cima dela.

— Sobe, menino! — dizia a Árvore, inclinando seus ramos o mais baixo que podia. Mas o menino era demasiado pequenino.

E ao contemplar o Gigante aquela cena seu coração enterneceu-se.

— Como tenho sido egoísta — disse. Agora estou sabendo por que a Primavera não vinha cá. Vou colocar aquele pobre menininho no alto da árvore e depois derrubarei o muro e meu jardim será para todo o sempre o lugar de brinquedo para os meninos.

Sentia-se deveras muito triste pelo que tinha feito.

De modo que desceu as escadas e abriu a porta de entrada bem devagarinho, saindo para o jardim. Mas quando as crianças o viram, ficaram tão atemorizadas que saíram todas a correr e o jardim voltou a ser como no inverno. Somente o menininho não correu, pois seus olhos estavam tão cheios de lágrimas que não viram o Gigante chegar. E o Gigante deslizou por trás dele, apanhou-o delicadamente com a mão e colocou-o no alto da árvore. E a árvore imediatamente abriu-se em flor e os pássaros chegaram e cantaram nela pousados e o menininho estendeu seus dois braços, cercou com eles o pescoço do Gigante e beijou-o. E as outras crianças, quando viram que o Gigante já não era mau, voltaram correndo e com eles veio também a Primavera.

— O jardim agora é de vocês, criancinhas — disse o Gigante, que pegou um grande machado e derrubou o muro. E quando as pessoas iam passando para a feira ao meio-dia, encontraram o Gigante a brincar com as crianças no mais belo jardim que jamais haviam visto.

Brincaram o dia inteiro e à noitinha dirigiram-se ao Gigante para despedir-se.

— Mas onde está o companheirinho de vocês? — perguntou —. O menino que eu pus na árvore?

O Gigante gostava mais dele porque o havia beijado.

— Não sabemos — responderam as crianças —. Foi-se embora.

— Devem dizer-lhe que não deixe de vir amanhã — disse o Gigante. Mas as crianças responderam-lhe que não sabiam onde ele morava e nunca o tinham visto antes. E o Gigante sentiu-se muito triste.

Todas as tardes, quando as aulas terminavam, as crianças chegavam para brincar com o Gigante. Mas o menininho de quem o Gigante gostava nunca mais foi visto de novo. O Gigante mostrava-se muito bondoso para com todas as crianças, contudo tinha saudades do seu primeiro amiguinho e muitas vezes a ele se referia.

— Como gostaria de vê-lo! — costumava dizer.

Os anos se passaram e o Gigante foi ficando muito velho e fraco. Não podia mais tomar parte nos brinquedos, de modo que se sentava numa grande cadeira de braços e contemplava o brinquedo das crianças e admirava seu jardim.

— Tenho belas flores em quantidade — dizia ele , mas as crianças são as mais belas flores de todas.

Numa manhã de inverno, olhou de sua janela, enquanto se vestia. Não odiava o Inverno agora, pois sabia que era apenas a Primavera adormecida e que as flores estavam descansando.

De repente, esfregou os olhos, maravilhado, e olhou e tornou a olhar. Era realmente uma visão maravilhosa. No canto mais afastado do jardim via-se uma arvore toda coberta de alvas e belas flores. Seus ramos eram cor de ouro e frutos prateados pendiam deles e por baixo estava o menininho que ele amara.

O Gigante desceu as escadas a correr, com grande alegria, e saiu para o jardim. Atravessou correndo o gramado e aproximou-se da criança. E quando chegou bem perto dela, seu rosto ficou vermelho de cólera e perguntou.

— Quem ousou ferir-te?

Pois nas palmas das mãos da criança viam-se as marcas de dois cravos e as marcas de dois cravos nos pequeninos pés.

— Quem ousou ferir-te? — gritou o Gigante —. Dize-me, para que eu possa tirar minha grande espada e matá-lo.

— Não — respondeu o menino —. São estas as feridas do Amor.

— Quem és? — perguntou o Gigante, sentindo-se tomado dum grande respeito e ajoelhando-se diante do menininho.

E o menino sorriu para o Gigante e disse:

— Tu me deixaste brincar uma vez em teu jardim, hoje virás comigo para o meu jardim, que é o Paraíso.

E quando as crianças chegaram correndo naquela tarde, encontraram o Gigante morto sob a árvore toda coberta de alvas flores.

Read Full Post »

Noya-me

Beba-me, prova-me, aprenda-me,

saboreie-me ao extremo dessa ironia.

Sinta só o que não tem sentido,

ria-me.

Exploda ao ponto máximo desse delírio,

chora-me até inundar o oceano.

Nada-me, morra-me no teu rio.

Ensaie-me, fale-me, envenene-se em mim.

Depois da contradição, do complexo,

viva-me sem limites,

E então, decifre-me.

Fran (=

Read Full Post »

O Ponto de Mutação

Tu perguntas o que a lagosta tece lá embaixo com seus pés dourados ? Respondo que o oceano sabe.

Por quem a medusa espera em sua veste transparente ?Está esperando pelo tempo, como tu.

‘Quem as algas apertam em seu abraço…’, perguntas ‘mais firme que uma hora e um mar certos ?’ Eu sei.

 Perguntas sobre a presa branca do narval e eu respondo contando como o unicórnio do mar, arpoado, morre.

Perguntas sobre as plumas do rei-pescador que vibram nas puras primaveras dos mares do sul.
Quero te contar que o oceano sabe isto: que a vida, em seus estojos de jóias, é infinita como a areia incontável, pura; e o tempo, entre as uvas cor de sangue tornou a pedra dura e lisa, encheu a água-viva de luz, desfez o seu nó, soltou seus fios musicais de uma cornucópia feita de infinita madrepérola.Sou só a rede vazia diante dos olhos humanos na escuridão e de dedos habituados à longitude do tímido globo de uma laranja. Caminho, como tu, investigando a estrela sem fim e em minha rede, durante a noite, acordo nu. A única coisa capturada é um peixe dentro do vento.

 

Pablo Neruda

Foi preciso o quê? Ler umas 20 vezes para entender, ou talvez mais.

Leia de novo, vai fazer sentido.

Read Full Post »

Older Posts »